Fatores etiológicos da periodontite no fluido gengival

Carlos Marcelo da S. Figueredo (cmfigueredo@hotmail.com) – PhD em Periodontia e Química Clínica pelo Karolinska Institute – Suécia; – Professor Adjunto da UERJ e UNIGRANRIO; – Coordenador da Especialização em Periodontia da PUC-RJ

EXPOSIçãO DO TEMA

O sangramento gengival é uma inflamação facilmente observada na população mundial. Porém, os motivos que levam a progressão da gengivite para a periodontite continuam obscuros.

Descobrir o porque desta progressão em apenas um grupo de pessoas, tornou-se um grande desafio para os principais centros de pesquisa mundiais na área de periodontia.

Os estudos da minha tese de doutorado no Hospital Universitário de Huddinge, baseiam-se na suposição de que a destruição tecidual na doença periodontal é mediada por proteases livres e/ou radicais livres de oxigênio liberados por neutrófilos hiperativados. A base para esta suposição tem origem em duas teses anteriores a minha (Asman, 1988 & Gustafsson, 1995).

RESULTADOS PRELIMINARES

Os resultados preliminares mostram que existe atividade de proteases livres no sulco gengival. Esta é uma descoberta bastante surpreendente, uma vez que se acreditava até o momento que toda atividade livre de protease deveria ser inibida rapidamente pelos seus inibidores (alpha 1 protease inhibitor e alpha 2 macroglobulin).

Neste estudo, pacientes com periodontite foram comparados com indivíduos saudáveis. Recolhemos amostras do fluido gengival utilizando a “washing machine” que coleta o fluido por sucção. Sítos doentes (profundidade de bolsa maior que 5mm) e saudáveis também foram comparados no mesmo paciente.

Uma vez observada a presença de proteases livres, realizamos testes específicos para elastase, protease liberada durante o processo de degranulacão dos neutrófilos. Observamos então que a maioria das proteases livres era de origem interna, e não bacteriana, demonstrando que a agressão enzimática sofrida pelos tecidos, e que provavelmente leva a destruicão tecidual, tem origem numa deficiência local na inibicão da atividade da elastase. Analisamos também a presenca de complexos (elastase e seus inibidores) e descobrimos que existem mais complexos em pacientes com periodontia.

Isso quer dizer que o organismo tenta compensar a hiperativacão dos neutrófilos, mas a formacão de inibidores não é suficiente e/ou fica debilitada pela presenca local de radicais livres de oxigênio produzidos por neutrófilos hiperativados.

Através desta desarmonia, a doença poderia progredir apenas no sítio em que os inibidores de protease estivessem prejudicados. Este fato foi observado, uma vez que sítios saudáveis, num paciente com periodontite, não apresentavam atividades de proteases livres.

MEDIADORES DA INFLAMAçãO

A segunda parte da tese estuda, utilizando meio de cultura celular, a possibilidade de células do epitélio gengival de pacientes com periodontite serem capazes de liberar mais mediadores da inflamação, principalmente citoquinas, do que células epiteliais de indivíduos saudáveis.

Caso seja demonstrado que o epitélio de pacientes produzem mais mediadores, uma vez iniciada, a inflamação seria mais intensa, justificando uma maior migração de neutrófilos para a região. Assim sendo, estes pacientes estariam propensos a uma maior degranulação local de elastase e uma maior produção local de radicais livres de oxigênio.

RESULTADOS ESPERADOS

Espero em breve poder apresentar resultados que possam contribuir para o diagnóstico precoce da doenca periodontal, contribuindo assim para o bem estar de pacientes propensos a periodontite.

Coloco-me a disposição dos leitores que possam se interessar em receber maiores informações. Basta utilizar o campo de mensagens automaticas no rodape desta página ou mandar uma mensagem diretamente para figueredo@odontologia.com.br

Carlos Marcelo da Silva Figueredo, doutorando dos departamentos de periodontia e química clínica, Hospital Universitário de Huddinge, Karolinska Institutet, Suécia.

Matéria apresentada em conferência no XIII Congresso Internacional do RIo de Janeiro.

Filed Under: Artigos

Comentários (1)

Fernanda

maio 5th, 2017 at 11:43 PM    


Professor, Boa tarde!

Gostaria de conversar mais a respeito de inflamação e imunologia/ flora periodontal- implantar.

Obrigada!
9 91574271

Deixe um comentário

Nome *

E-mail*

Website