Laser de baixa intensidade na cicatrização periodontal

Resumo
O objetivo deste estudo foi avaliar os resultados e a metodologia de trabalhos sobre os potenciais efeitos da irradiação por lasers de baixa intensidade (LBI) na cicatrização dos tecidos periodontais, tendo como base o banco de dados MEDLINE, de 1992 a 2007. Basicamente, dois tipos de lasers de baixa potência são utilizados: hélio – neônio(HeNe), com comprimento de onda de 633nm e lasers diodo, como o Arseniato de gálio e alumínio (AsGaAl), Arseniato de gálio(AsGa) e o fosfato de arsênio índio gálio (InGaAlP), cujos comprimentos de onda variam entre 635-950 nm. Um total de 59 estudos foi observado e, desses, nove foram selecionados e mostram que os LBI são associados à cicatrização, pelo seu potencial em reduzir os níveis locais de prostaglandinas, aumentar os níveis de beta endorfinas, estimular a produção de ATP celular e a liberação de fatores de crescimento, bem como propiciar a proliferação celular e a síntese de colágeno, e a diminuição do sangramento à sondagem. Concluindo, o LBI parece apresentar benefícios para o processo de cicatrização tecidual. No entanto, a análise dos estudos e a sugestão de um protocolo para a utilização dos LBI são dificultadas pela diversidade da metodologia empregada, como, por exemplo, diferenças nos comprimentos de onda, dosimetrias, tipos de estudo e desenhos experimentais.

Laser de baixa intensidade na cicatrização periodontal

Comentários

nenhum comentário

Deixe um comentário

Nome *

E-mail*

Website